Arc-hive

PT// Arc-hive, a primeira plataforma online para obras de arte centradas nos biomedia.

Seis instituições europeias, incluindo a Cultivamos Cultura, estão a unir forças para criar a primeira plataforma digital de código aberto para gerar, centralizar e partilhar conhecimentos sobre obras de arte baseadas em materiais ou sistemas vivos.

Após um ano e meio de trabalho intenso, a plataforma Arc-hive entra em funcionamento e abre ao público e aos utilizadores, tornando-se o primeiro espaço digital onde se pode encontrar informação, conhecimento e documentação sobre obras de arte centradas nos biomedia; ou seja, obras de arte que empregam materiais ou sistemas vivos na sua forma e conteúdo. O principal objetivo do projeto é se tornar um ponto de encontro para os diferentes agentes que trabalham com materiais biológicos, desde artistas, estudantes, investigadores, curadores ou cientistas a museus, universidades, instituições culturais e centros de investigação.

A plataforma acolhe e disponibiliza um catálogo criado especificamente para o projeto, que contém informação valiosa sobre uma seleção de obras de arte centradas na biomedia: descrição, dados técnicos, bibliografia e modelos 3D. Mas Arc-hive não é apenas um catálogo de museus, mas também um gerador de recursos: a plataforma dedica uma grande parte do seu espaço a tornar visível o conhecimento coletivo que surgiu dentro do projeto com o objetivo de os transformar em ferramentas comuns que podem ser replicadas, melhoradas, e que permitem a disseminação de boas práticas neste campo de estudo. Estes recursos incluem podcasts, exposições, publicações, protocolos de digitalização, workshops, simpósios, vídeos, ou estudos de caso. A filosofia de fonte aberta tem sido essencial na construção da plataforma, ajudando a garantir que o seu desenvolvimento responda a critérios de sustentabilidade ecológica, soberania tecnológica e retorno social.

Ao mesmo tempo, Arc-hive trouxe um desafio técnico e conceptual às práticas arquivísticas contemporâneas, lidando com obras de arte que pela sua natureza mutável resistem à captura e catalogação. Os ciclos de vida ininterruptos de mutação, degradação e regeneração de obras de arte predominantemente baseadas em materiais biológicos levantaram várias questões em torno dos protocolos de digitalização e catalogação: onde reside, por exemplo, a parte mais importante de uma obra de arte centrada em materiais vivos? É possível localizá-la e migrá-la para que possa habitar o campo digital sem ser permanentemente distorcida? Devemos captar todas as fases do seu ciclo de vida? Deveremos corrigir ou absorver elementos estranhos que emergem durante o processo de digitalização? Devemos assumir que o espaço totalmente genérico e matemático da tridimensionalidade digital implica sempre a eliminação de seu ambiente situado? Como escrevemos o código que alimenta e sustenta um ecossistema de interfaces comuns? Que aprendizagem mútua pode ocorrer entre o mundo das infra-estruturas federadas e as práticas próximas do trabalho com materiais vivos?

A plataforma Arc-hive tem sido possível graças à colaboração entre seis instituições parceiras europeias com perfis diversos e complementares que desenvolvem as suas atividades no âmbito do museu, da edição, das TI e do audiovisual: Kersnikova (Eslováquia), Kontejner (Croácia), Hangar (Espanha), Bioart Society (Finlândia), RBINS (Bélgica) e Cultivamos Cultura (Portugal), que lidera o projeto. Arc-hive foi co-financiado pelo programa Creative Europe da União Europeia, que visa apoiar projetos europeus no campo da produção cultural e inovação.

Visite a plataforma aqui.

EN// Arc-hive, the first online platform for biomedia-focused artworks, is born
 
Six European institutions, including Cultivamos Cultura, are joining forces to create the first open source digital platform to generate, centralize and share knowledge about artworks based on living materials or systems.
 
After a year and a half of intense work, the Arc-hive platform goes live and opens to the public and users, becoming the first digital space in which to find information, knowledge and documentation on works of art focused on biomedia; that is, artworks that employ living materials or systems in their form and content. The project’s main objective is to become a meeting point for the different agents working with biological materials, from artists, students, researchers, curators or scientists to museums, universities, cultural institutions and research centers.
 
The platform hosts and makes available a catalog created specifically for the project, which contains valuable information on a selection of artworks focused on biomedia: description, technical data, bibliography and 3D models. But Arc-hive is not only a museum catalog, but also a resource generator: the platform devotes a large part of its space to making visible the collective knowledge that has emerged within the project with the aim of turning them into common tools that can be replicated, improved, and that allow the dissemination of good practices in this field of study. These resources include podcasts, exhibitions, publications, digitization protocols, workshops, symposia, videos, or case studies. The open source philosophy has been essential in the construction of the platform, helping to ensure that its development responds to criteria of ecological sustainability, technological sovereignty and social return.
 
At the same time, Arc-hive has brought a technical and conceptual challenge to contemporary archival practices, dealing with artworks that by their changing nature resist capture and cataloguing. The uninterrupted life cycles of mutation, degradation and regeneration of artworks predominantly based on biological materials have raised several questions around digitization and cataloging protocols: where, for example, does the most important part of an artwork focused on living materials reside? Is it possible to locate it and migrate it so that it can inhabit the digital field without being permanently distorted? Should we capture all stages of its life cycle? Should we correct or absorb extraneous elements that emerge during the digitization process? Should we assume that the completely generic and mathematical space of digital three-dimensionality always entails the elimination of its situated environment? How do we write code that feeds and sustains an ecosystem of common interfaces? What mutual learning can occur between the world of federated infrastructures and practices close to working with living materials?
 
Arc-hive has been possible thanks to the collaboration between six European partner institutions with diverse and complementary profiles that develop their activities within the museum, publishing, IT and audiovisual fields: Kersnikova (Slovakia), Kontejner (Croatia), Hangar (Spain), Bioart Society (Finland), RBINS (Belgium) and Cultivamos Cultura (Portugal), which leads the project. Arc-hive has been co-funded by the Creative Europe program of the European Union, which aims to support European projects in the field of cultural production and innovation.

Visit the platform here.

One Comment Add yours

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s